Quantcast

Pequeno Guia de Produtividade Inspirado no Conhecimento de algumas Filosofias Orientais

Posted in Motivação

A motivação deste artigo é trazer para o dia a dia das pessoas comuns, que possuem uma rotina atarefada, a sabedoria de algumas das filosofias clássicas orientais.


O mais importante é que o
conhecimento trazido por estas filosofias possam ser usados e aplicados como dicas de produtividade em nosso dia a dia.


Para isso eu convido voce a testar e
aplicar em seu dia a dia as dicas que compartilho a seguir, segundo a minha interpretação.

Da Filosofia do Budô


Procure a Verdadeira Natureza das Coisas


"Não há lugar no budô para o pensamento mesquinho e orgulhoso. Em vez de ficar preso a noções de 'ganhar ou perder', procure a verdadeira natureza das coisas."

(Morihei Ueshiba, fundador do Aikido)


Morihei Ueshiba, dizia-se, estava além do mestre de artes marciais comum. Nos seus últimos anos de vida era antes de tudo um homem espiritual, neste período quase nenhum de seus alunos mais graduados era capaz de compreender o que ele dizia.


Alguns destes alunos, ainda vivos, relataram que começaram a compreender os ensinamentos daquela época, 20 ou 30 anos depois.
‘Procurar a verdadeira natureza das coisas’, para mim faz parte destes ensinamentos que podem levar décadas para serem compreendidos.


Entendo que
agindo na superficialidade somos levados pela marola, aquelas ondinhas que passam a todo instante. E isto pode significar qualquer coisa que o tire do seu foco, que atrapalhe a sua concentração ou prejudique seus objetivos.


O olhar
‘ganhar ou perder’ é redutivo, superficial e dual a ponto de simbolizar uma marola que facilmente nos leva. Se você é um líder de equipe, um gerente de projetos, ou mesmo trabalha remotamente com uma equipe que pode estar em qualquer lugar do mundo, a marola não pode desestabilizá-lo.


b3081c783b5c0f5f2a3ed060c032100b.jpg

Morihei Ueshiba, impassível e atento, treinando.


Segundo Ueshiba, os princípios do Budô não contemplam o pensamento mesquinho e orgulhoso, e também a
dualidade de ‘ganhar ou perder’, isto não está em jogo! A abordagem das situações e dos problemas, no seu trabalho ou na sua vida, que não se caracteriza pela busca da verdadeira natureza do problema, pode colocá-lo numa posição onde uma marola pode derrubá-lo.


Confiar Demais na Tecnica


"Se voce confiar demais na tecnica, mais cedo ou mais tarde voce chegara a um impasse, porque a técnica possui um limite. Pense bem nisso."

(Neko no Myojutsu (1727) de Issai Chozan, texto muito popular entre os artistas marciais no Japão)


Vejo esta lição da seguinte forma. Digamos que você estudou muito e tirou aquela
cerificação incrível ou fez um super MBA. Com deste sentimento é possível que você ache que sua técnica agora é a melhor, e você vai aplicá-la até o limite, porque afinal ela é o que tem de melhor.


Em casos assim, onde a crença no seu
MBA e na certificação técnica é quase cega, poderão aparecer problemas ou situações além da técnica, e nestes casos será necessário olhar não mais com o cérebro, mas com o coração. Um ótimo livro que orienta muito bem sobre essa conexão com o coração é: “A Solução Heartmath” de Doc Childre e Howard Martin.


Situação Estressante


"Quando voce enfrentar uma situacao estressante:

- Contraia o ânus

- Concentre-se na parte inferior do abdômen

- Relaxe os ombros"

(Tempu Nakamura, 1876 - 1968, filosofo que influenciou muitos mestres de artes marciais)


Embora o Budô seja uma filosofia diretamente relacionada as artes marciais japonesas (
judo, karate-do, kyudo, kendo, aikido, iaido e outros) a prática descrita pelo mestre Tempu Nakamura lembra mais um asana do Yoga.


Não há muito o que dizer, além de simplesmente
realizar a prática em um momento de estresse.

Da Filosofia Budista


Não Deixe Para Amanhã


“Não lamente o passado, não anseie o futuro e viva cada dia de forma plena. Bagunçou? Arrume imediatamente.”

(Keisuke Matsumoto - monge budista da escola Shin da Terra Pura, Japão)


Este ensinamento é bem direto e fala por si só. É uma forma simples de
manter as coisas ordenadas que se resume a ‘Bagunçou? Arrume imediatamente’.


Muitas vezes porem, é dificil proceder dessa maneira, por isso é importante, em nosso dia a dia atentar-se sempre a pensamentos como
 ‘Amanhã eu faço’ ou ‘Estou com isso na cabeça desde ontem’. Não deixe essas sementes germinarem na sua mente.


Não adie. Viva cada dia de forma plena e agradavel. É um extremo, você adormecer preocupado com as coisas que deixou para fazer, que pertubarão seu sono. Olha, isso não é fácil, eu sei disso.


manual-limpeza-monge-budista.jpg

O monge, arrumando imediatamente.


O termo budista para esta lição é
Zengo Saidan, que significa viver plenamente o presente, despreocupado do passado e do futuro. Não lamente o ontem nem anseie o amanhã, concentre as energias no agora e não haverá arrependimentos e frustrações.


Isso pode até soar profundo demais, mas a lição está bem clara e pode ser facilmente aplicada em nosso dia a dia na
empresa ou nas atividades da casa: bagunçou? arrume imediatamente!


Meteorologia


“Cultive um espirito flexivel e cuide das coisas em harmonia com as oscilações da natureza.”

(Keisuke Matsumoto - monge budista da escola Shin da Terra Pura, Japão)


O monge Keisuke Matsumoto trata de limpeza, e cita o fato de abandonarmos a ideia fixa de insistirmos em limpar uma área externa, de um mosteiro, em
dias chuvosos. Esta ação isolada demonstra inflexibilidade e falta de harmonia com o momento presente.


Creio que isso possa ser facilmente entendido dentro de um
ambiente de trabalho, com pequenas ou grandes equipes, onde atitudes observadoras e pautadas pela flexibilidade podem fazer enorme diferença em nossa produtividade.


Por exemplo, ter cuidado com as palavras ao comunicar-se com um colega de equipe que passa por um momento pessoal delicado. Você pode mesmo suspender uma
reunião importante com sua equipe caso um fator externo tenha abalado os seus ânimos e você sinta que isso possa impactar negativamente na produtividade do grupo.


Reparo e Conserto


“Pessoas obcecadas por artigos novos são individuos rendidos às paixões mundanas e desprovidos de liberdade. Restringir-se a poucos itens e deles extrair o maximo é possuir um espirito livre. Que tipo de existência você escolhe para si?”.

(Keisuke Matsumoto - monge budista da escola Shin da Terra Pura, Japão)


Para alguns esta lição pode ser considerada polêmica e até difícil de entender, principalmente se você for um materialista. Porém, se você já tem uma certa
caminhada de vida esta lição é até obvia e pode cair como uma luva.


É importante balancear a
busca por novidade com a dedicação ao que você já possui. Faça isso naturalmente e tratará as pessoas com carinho e atenção. A ideia, no meu entendimento, é balancear o reparo/cuidado ao que você já possui, à sua manutenção, com a busca por algo novo.


Segundo a filosofia budista o
desequilibrio neste sentido acabará por extravasar e influenciar o relacionamento com as pessoas, corroendo o espírito.


Por exemplo, é facil perceber que o seu dia a dia pode ficar bastante
improdutivo se você investe uma parte exagerada do seu tempo em busca de novidades, seja em objetos, pessoas, conceitos ou idéias.

Da Filosofia do Vedanta


Atuar de Forma Construtiva


"Toda experiencia nos oferece a oportunidade de reagir construtivamente a ela - reação essa que nos ajuda a quebrar um elo da nossa escravidão a ilusão e nos leva para muito mais perto da liberdade espiritual."

(Adi Shankara)


Seja nas
atividades familiares ou atividades do trabalho, a nossa produtividade é afetada pela forma como a encaramos. Reclamar ou colocar-se como vítima da situação é um processo destrutivo e de baixa produtividade. A forma como conseguimos encarar o momento e reagir construtivamente a ele, ou não, vai determinar se o resultado será produtivo ou improdutivo.


Paciência


"Suportar todos os tipos de aflição sem revolta, sem queixa ou lamento - a isto se chama paciência."

(Adi Shankara)


Esta é a definição que Shankara dá para
paciência, e eu espero que este esclarecimento faça-o(a) refletir sobre os seus sentimentos decorrentes da impaciência. Estou aqui pensando nos meus piores momentos de impaciência.


É fato que, a
falta de paciência e consequentemente o descontrole emocional, impactam em nossa produtividade diária. Sentir-se produtivo é no mínimo vencer os obstaculos interiores que nos colocam para baixo, perturbam a nossa autoestima e nos fazem procrastinar e perder a conexão com nosso proposito.


Shankara.gif

Adi Shankara reunido com sua equipe talentosa.


Encontre o limite de sua paciência e expanda ela, pratique com
consciência em seu dia dia. Ser paciente é uma habilidade que precisamos muito desenvolver no mundo profissional de hoje. Projetos tensos e complexos, com equipe talentosa e diversificada, pede sempre, esta habilidade, a paciência, desenvolvida.


Preguiça


"Qual é o obstáculo ao crescimento espiritual?

A preguiça.

Onde reside a força?

Na paciência.”

(Adi Shankara)


Retirado do
Florilegio de Perguntas e Respostas, onde Shankara responde perguntas diretas. Neste caso, na minha interpretação, ele esclarece qual é um dos maiores obstáculos a produtividade pessoal: a preguiça. E qual é uma das grandes habilidades que uma pessoa ou equipe produtiva deve desenvolver: a paciência.

Conclusão


Este artigo foi um exercício de
paciência, pois não é facil ler qualquer filosofia oriental, com atenção e focando um objetivo. Foi também agradavel, pelas pequenas descobertas que proporcionou: observar que existem lições e dicas de produtividade que podem ser aplicadas na vida prática retiradas de ensinamentos das filosofias clássicas orientais.


Este texto foi uma conversa entre filosofias orientais e a produtividade. Também aquela
produtividade com a qual nos encontramos e nos cobramos nos dias de hoje: nas atividades da casa, no trabalho e nos negócios. A qual, ferramentas como o Trello (este é um link de afiliado) vem para nos esclarecer e ajudar.


Se você conhece ou leu algum livro de impacto sobre filosofia oriental que possa ter lições e
dicas de produtividade, por favor comente este artigo ou me escreva.


Referências


- Segredos do Budô, Ensinamentos dos Mestres das Artes Marciais. John Stevens (org.). ed. Cultrix. São Paulo. 2005.

- Manual de Limpeza de um Monge Budista. Keisuke Matsumoto. ed. Planeta. São Paulo. 2015.

- A Joia Suprema do Discernimento (Viveka - Chudamani). Shankara. ed. Pensamento. São Paulo. 1997.


Autor

Everton R. é cofundador da Super Organizado.